domingo, 23 de março de 2008

Inocência do Sitio do Picapau Amarelo


Marmelada de banana
Bananada de goiaba
Goiabada de marmelo
Sítio do Pica-pau Amarelo
Sítio do Pica-pau Amarelo
Boneca de pano é gente
Sabugo de milho é gente
O sol nascente é tão belo
Sítio do Pica-pau Amarelo
Sítio do Pica-pau Amarelo
Rios de prata piratas
Vôo sideral na mata
Universo paralelo
Sítio do Pica-pau Amarelo
Sítio do Pica-pau Amarelo
No país da fantasia
Num estado de euforia
Cidade Polichinelo
Sítio do Pica-pau Amarelo
Sítio do Pica-pau Amarelo

Sítio do Pica-Pau Amarelo de Gilberto Gil

Se algo me recordo com saudade da minha adolescência, era a minha vontade em acordar cedo sábado de manhã. Era a hora dos cartoons e das personagens do sitio entrarem na minha vida.. Quem se pode esquecer de Emilia, do Visconde de Sabugosa, do Saci ou da Cuca, dos meninos Narizinho e Pedrinho, Marquês de Rabicó, Tio Barnabé , Tia Nastácia, e claro, de Dona Benta? A avó que tentava disciplinar as traquinices dos netos, com um misto de doçura, para que eles nunca perdessem o gosto pela aventura..
Deixo-vos o vídeo da homenagem que um programa infantil brasileiro fez à “Dona Benta”, de nome Zilka Salaberry. Enfim a personificação da avó que muita gente gostava de ter!
O Sítio do Picapau Amarelo é uma obra do escritor brasileiro, Monteiro Lobato, publicada em 1920 e adaptada para televisão várias vezes, sendo a mais internacional a da rede Globo de 1977.

1 comentário:

Fernando Vasconcelos disse...

Era sem dúvida uma excelente série de televisão.