domingo, 2 de dezembro de 2007

O Dia D

Hoje é o dia D para a Venezuela , para não dizer para o mundo. Depois de há poucos dias atrás ter sido interceptado um documento confidencial proveniente do gabinete do sr. Michael Middleton Steere, funcionário do Departamento de Assuntos Regionais (ORA) da Agência Central de Informações (CIA) dos Estados Unidos localizado na mesma morada da Embaixada dos EUA em Caracas, que continha informações sobre um plano de sabotagem do referendo (para mais informações sobre este caso ver o post "Por qué no si callam" de dia 30-11-2007 do blog Xatoo).

A razão desta tentativa de destabilização da Venezuela por parte da corja americana, para além do petróleo, é também algumas das emendas que o referendo contém. Um artigo acelera a expropriação da terra facilitando a re-distribuição aos sem terra e pequenos produtores. Chavez já assentou mais de 150 mil trabalhadores sem terra sobre 2 milhões de acres [809,4 mil hectares) de terra. Outra emenda proporciona cobertura universal de segurança social a todos o sector informal (vendedores de rua, trabalhadores domésticos, auto-empregados) que representa 40% da força de trabalho. A semana de trabalho de trabalhadores organizados e não organizados será reduzida de 40 para 36 horas semanais sem redução de pagamento. A admissão aberta e universal à educação superior abrirá maiores oportunidades educacionais a estudantes das classes mais baixas. Algumas emendas permitirão que o governo ultrapasse os actuais bloqueios burocráticos para a socialização de indústrias estratégicas, criando portanto maior emprego e reduzindo custos de serviços públicos. A mais importante é uma emenda que aumentará o poder e o orçamento de conselhos de moradores a fim de legislar e investir nas suas comunidades.
O eleitorado que apoia as emendas constitucionais vai votar a favor dos seus interesses sócio-económicos e de classe; o problema da reeleição estendida do Presidente não é elevado nas suas prioridades. E esta é a questão que a direita tem enfatizado ao chamar Chavez de 'ditador' e o referendo de 'golpe'. Mais informação aqui.

Sem comentários: