domingo, 23 de dezembro de 2007

Não aos Brinquedos Bélicos


Encontrei no Pimenta Negra um post, do dia 21 deste mês, que vou ter que plagiá-lo pelo menos em parte. O post, como já devem ter reparado pela imagem e pelo título, fala acerca da oferta de brinquedos bélicos a crianças e que devemos dizer NÃO a esta prática corrente.

Porque por intermédio deles e com a compra de brinquedos que simulam armas estamos na prática a legitimar o uso de armas e da guerra na resolução de conflitos aos olhos dos nossos filhos e jovens.
(há quem argumente que assim estamos a contrariar a vontade da criança, ou que agindo dessa forma estaríamos a potenciar o seu desejo, mas cabe perguntar se ele quisesse jogar com fogo, acaso o permitíriamos?)

Na realidade, é importante formar um sentimento de auto-estima e na base da qual ele poderá construir uma personalidade capaz de vencer a pressão exercida pelos seus amigos. Ensina-o por isso a pensar pela sua própria cabeça. Mostra-lhe que o objectivo dos empresários de brinquedos é aumentar o seu lucro, e não garantir o bem estar das pessoas.

Conselhos básicos ao comprar brinquedos:

  • Brinquedos de paz e não de guerra.
  • Evitar os brinquedos que não sejam só para raparigas ou só para rapazes.
  • Brinquedos em demasia não são bons.
  • Brinquedos que possam também divertir os adultos.
  • Os jogos de computador devem ser usados com bom senso e não serem demasiados absorventes.
  • Fazer sempre que possível os nossos próprios brinquedos.
  • Os brinquedos não deverão reproduzir nem reforçar comportamentos sexistas, autoritários, agressivos, racistas e egoístas.
  • Ensinar as crianças a partilhas os seus brinquedos.
Mais um texto contra os brinquedos de guerra pode ser lido clicando aqui.
Texto sobre o brinquedos sexistas pode ser lido clicando aqui.

Não há dúvida que a venda deste tipo de brinquedos só é bom para a canalha que faz as guerras e que quer continuar a fazer. Assim quando as crianças chegam a adulto, aliás quando chegam a adolescente estão mais predispostos a ir para a tropa, a manusear armas e a combater nas guerras dos ricos. Excusado será dizer que quem vai guerrear são os pobres, tanto de espírito como monetáriamente. E são precisamente estes
, na sua maioria, que gastam o dinheiro (quando o gastam) em brinquedos de merda, que não estimulam os cérebros das suas crianças e que os abandonam à sua sorte sem perderem muito tempo com os seus filhos, devido ao cansaço depois de mais um dia de trabalho escravo na caixa de uma grande superficie ou dos dois part times num sitio qualquer.

3 comentários:

Victor disse...

Concordo com o que disse, acho que o melhor brinquedo é aquele em que a criança faz com suas propias mãos, estimula a criatividade e a criança aprende a dar valor para aquilo que ela fez.

Fly disse...

Ora, nem mais, Victor!

Um feliz natal pra ti.

G disse...

Apoiado!!

Abraço!