sexta-feira, 6 de julho de 2007

Alguma (pouca) Luz Sobre O Novo Tratado Europeu


Como sei que a maior parte dos portugueses que se preocupam com o estado a que o País chegou (eu incluído), gostariam de saber o que contém o novo tratado europeu que o Sócrates quer tanto ver aprovado, sem que para isso o povo tenha voto na matéria. Para além deste meu post de alguns dias atrás, resolvi publicar mais algumas das alterações previstas, retiradas de um comentário a um post do We Have Kaos In The Garden, feito pelo Pedro Silva:

"Caro kaos: o tratado é absolutamente desastroso.

Concede por exemplo, personalidade jurídica à união europeia, pela primeira vez em qualquer tratado europeu. Isto significa que a união; não Portugal, pode assinar acordos com terceiros.Significa que um país não pode assinar acordos bilaterais com terceiros sem a união dizer que pode.

Existe direito de veto neste tratado à imigração LEGAL.Isto significa que um país pode, de repente, ter um milhão de imigrantes legais a entrar ou a querer entrar no seu território e não pode impedir isso.

Prevê que 9 países ficarão sem comissário europeu a representa-los. Pode dar-se o caso de um país ficar sem comissário durante uma altura em que algo vital para esse país esteja a ser negociado na comissão, sem que o país saiba bem o que é; não tem lá comissário.

Existe a criação de uma coisa chamada "eurojust" uma espécie de comité de segurança militar,mas em que as coisas estão feitas para que só estejam dentro desse comité quem interesse e que os membros do mesmo possam convidar um país a sair , quando acharem que só recursos desses país não são úteis às necessidades do comité - como se fosse um menu de restaurante. Ou seja um país pode ser convidado a mandar tropas para um lado qualquer. Depois desse favor ser feito e resolvido pode ser considerado como já não util e sair dali.

Existe a proposta de criação do GPS europeu. 12 biliões de euros. O dinheiro não existe,empresas privadas para desenvoverem o sistema não existem. Onde se vai buscar o dinheiro?' Pois, aos países comunitários. Como? aumentando impostos ou "fazendo reformas"e por aí em diante.

É um festival de asneiras, nem sequer só do ponto de vista ideológico ou das pessoas e do bem estar delas, mas também do ponto de vista do mais puro bom senso,este tratado.

Volto a dizer: isto tem que ir a referendo e as pessoas devem votar NÃO."

1 comentário:

Corduroy disse...

Não me parece que isto vá a referendo, porque de certeza que a maioria das pessoas não aprovaria um tratado europeu que só é justo para alguns.
Abraço