sexta-feira, 15 de junho de 2007

Afinal Tinha Talão de Compra

A velhota que supostamente furtou um creme de beleza de 3,99 euros num supermercado Lidl, afinal tinha o talão de compra do referido creme, que foi entregue pelo próprio Lidl como prova.

"O julgamento teve início a 23 Maio nos Juízos Criminais do Porto. Apesar do valor irrelevante do creme de beleza alegadamente roubado (3,99 euros), o Ministério Público decidiu avançar com a acusação, num processo que custará centenas de euros ao Estado, sendo que só o advogado oficioso da arguida recebe 264 euros por cada sessão do julgamento."

Mas será caso que esta gente não tem mais nada para fazer? Gastar centenas de euros, dezenas de horas de trabalho por causa de 3,99 € , que tinham sido pagos? Sinceramente cada vez sinto-me mais revoltado com esta canalha. Puta q'os pariu!

3 comentários:

bjecas disse...

Portugal ao seu melhor nível!

\m/

um olhar e nada mais disse...

É mesmo de deixar os cabelos em pé!

O Raio disse...

Peço deslculpa pelo que vou escrever mas acho que este post e seus comentários espelham muito bem a herança negra que a dupla Durão/Manuela Ferreira Leite deixaram ao país, a de pôr o cidadão a chorar por cada Euro gasto pelo Estado como se o Euro fosse do cidadão.
Vamos ver se nos entendemos, o dinheiro do Estado é o dinheiro do Estado, sim, do Estado, não do cidadão. O Estado é que é do cidadão.
É irrelevante a forma como o Estado gasta o dinheiro, o que não é irrelevante é os resultados que produz.
Devemos julgar o Estado pelos resultados e não pela forma como gasta o dinheiro.
Como um accionista de uma empresa faz. Se eu tiver acções de uma determinada empresa eu julgo o Conselho de Administração pelos resultados. Recebi dividendos? Os dividendos foram bons, as acções aumentaram de valor, etc.
Com o Estado é a mesma coisa. A merceeira Ferreira Leite pode ter sido muito poupadinha (por acaso nem foi) que eu não ganhei nada com isso.
Antes pelo contrário, o meu nível de vida até se degradou...
Logo foi uma péssima governante!
Quanto ao caso da tal velhinha eu até acho muito bem, roubou? Então deve ser punida independentemente do valor.
A tolerância para com o pequeno crime destrói a segurança em qualquer sociedade.
Mas se ela afinal não roubou e até tem um recibo da compra e o Lidl não consegue provar que o recibo foi falsificado, não há problema nenhum, o Lidl deverá indemnizar a velhinha dos incómodos que lhe causou e indemnizar o Estado dos prejuízos que lhe ocasionou.