quarta-feira, 25 de abril de 2007

25 de Abril Sempre

Portugal comemora hoje o 33º aniversário da Revolução de Abril. A Revolução que pôs fim ao regime fascista e restituiu as liberdades, consagrando simultaneamente um vasto conjunto de direitos como sejam, entre outros, o direito de reunião, expressão, manifestação, o direito a férias, o direito à greve e à contratação colectiva, a abertura de inumeras profissões ás mulheres, a consagração de um Serviço Nacional de Saúde e da protecção social generalizada no âmbito da Segurança Social, e o 13ª mês de ordenado (que o Soares quis tirar logo no seu primeiro mandato como 1º ministro).


Os direitos sociais, políticos, económicos e culturais têm vindo desde há anos a serem objecto de ataques sistemáticos por parte dos sucessivos governos, com as suas políticas de direita, sempre em nome da modernidade e da defesa dos interesses dos portugueses. Quanto mais dizem defender os portugueses mais se vai verificando o ataque aos seus direitos.

É assim ao nível da contratação colectiva e das garantias de trabalho com direitos e no que respeita à destruição do aparelho produtivo. É assim com a política de destruição do Serviço Nacional de Saúde, com a degradação da situação no ensino e da proteção social no quadro dos ataques à segurança social.`

É assim também ao nível da região, com o aumento das assimetrias, da pobreza, da precaridade, da destruição do tecido produtivo.

Portugal vive cada vez mais de projectos espectáculo, enquanto a resposta ás reais necessidades dos Portugueses vão sendo adiadas.

Os Portugueses têm na história da luta contra o fascismo e pela liberdade importantes momentos de afirmação. É esse espírito de resistência e luta, que alguns pretendem destruir e mesmo apagar da memória, que é necessário avivar e colocar na ordem do dia. Tal reveste-se de particular importância , quando se vai assistindo a uma ofensiva no plano ideológico de branqueamento do fascismo e das suas reais consequências para os Portugueses; quando se vai assistindo ao recrudescimento de actividades de grupos neonazis e neofascistas.

É preciso perceber e ter presente que o fascismo é um fenómeno histórico de uma determinada conjuntura. Tem carácter universal, com raízes sociais e económicas que aparecem como resposta desesperada a uma sociedade em crise e a uma classe que pretende impor pela força a manutenção do seu domínio e condicionar a sociedade aos seus interesses.

A violência da exploração, da injustiça social corróia democracia, retira-lhe o apego das pessoas.

Gritar Fascismo Nunca Mais! é não só recusar esse passado que durante tantos anos oprimiu o povo Português, mas também manifestar a disponibilidade para no presente intervir, agir e lutar por um futuro de maior justiça social, de trabalho com direitos, de respeito por quem trabalha.


Por estas e por outras:


25 de Abril Sempre!! Fascismo Nunca Mais !!

4 comentários:

bjecas disse...

Há 33 anos não tive escola e a televisão deu quase sempre a mesma música.

Valeu a pena mas podia e pode ser melhor. Não é altura de desistir.

Cravos vermelhos nessas lapelas!

\m/

Bia disse...

A liberdade é um dos nossos bens mais preciosos!

Corduroy disse...

Estou ctgo mano Fly!!! Mas ainda há muita gente acomodada a este tipo de vida, principalmente os governantes deste país, e enquanto assim for, isto nunca irá para a frente... infelizmente.

Flyover disse...

Tenho que concordar com o vocês ,
e digo mais está na hora de fazer outra revolução, mas desta vez a nível mundial, e acabar com as injustiças sociais - pronto, ok já 'tou a divagar, mas era tão boa esta utopia.