domingo, 25 de março de 2007

1001 Noites - História da Doce Amiga

Neste post vou mostrar , finalmente, a história da Doce-Amiga, um dos contos das 1001 noites. Desta vez não vou escrever muito como fiz num post anterior , apenas vou mostrar as ilustrações que fiz , com umas legendas por baixo para que possam perceber a história.
Estes desenhos foram feitos em 1998 , e foi um dos trabalhos que fiz enquanto andava a estudar na Ar.Co, no curso de ilustração. Já fiz várias exposições com eles e agora para terminar os seus dias não há nada melhor do que expo-los aqui. Espero que gostem.:)

A Doce-Amiga é comprada pelo vizir El-Fadl ben-Khacã a pedido do sultão Maomé ben-Soleimão El-Zeini, vassalo do califa Harun Al-Rachid.

Ao lado do velho que educara a Doce-Amiga encontra-se o mercador que fez o negócio.


A Doce-Amiga apaixona-se pelo filho do vizir El-Fadl ben-Khacã, Ali-Nur, apesar de estar destinada para o sultão.

As criadas do vizir testemunham o momento em que os dois se encontram pela primeira vez.


Ali-Nur pede ao pai para que possa ficar com a Doce-Amiga , e este consente.


Funeral do vizir El-Fadl ben-Khacã. A morte deste vai levar à falência o seu filho Ali-Nur , que se vê obrigado a vender a Doce-Amiga, a pedido desta, no mercado de escravos.



O vizir El-Mohin ben-Saui, que tinha grande inimizade pelo falecido colega vizir, ao ver a Doce-Amiga à venda, tenta comprá-la mas leva uma grande sova de Ali-Nur. O vizir vai contar ao sultão o que se tinha passado e este manda as tropas atrás de Ali-Nur.



Ali-Nur e a Doce-Amiga são obrigados a fugir de Bogotá e vão para Bagdade. Nesta cidade encontram um velho xeque, responsável pela manutenção do palácio das muralhas, pertencente ao califa Harun Al-Rachid. Este palácio só era aberto uma vez por ano, o que levou a que o califa acompanhado do vizir Giafar Al-Barmaki e do carrasco Massrur fossem ver o que se passava, disfarçados de mercadores. Ao chegar ao palácio o califa e o vizir subiram a uma árvore e viram o velho xeque a beber e a dançar ao som da música que a Doce-Amiga tocava. O califa fica encantado com a voz dela e decide ajudar o jovem casal, entregando uma carta a Ali-Nur em que ordenava ao sultão Maomé El-Zeini que este deposesse o seu trono a favor de Ali-Nur.

Ali-Nur entrega a carta ao sultão Maomé El-Zeini, mas o vizir El-Mohin recorda-lhe quem é o jovem que se encontra à sua frente, e o sultão manda prender Ali-Nur e condena-o a ser decapitado em praça pública no prazo de um mês.


Ali-Nur é salvo, pelo vizir Giafar, quando estava prestes a ser decapitado, e quem é decapitado no palácio é o vizir El-Mohin.

Ali-Nur e a Doce-Amiga viveram felizes para sempre e foram os soberanos mais bem amados pelo povo.

2 comentários:

Canochinha disse...

Está muito giro, parabéns!

Obrigado pelo link para o meu blog ;)

Flyover disse...

eu é que agradeço a visita e o comentário :)

volta sempre

bjs